domingo, 25 de setembro de 2016

Especialista explica sintomas da Doença de Alzheimer

No Dia Mundial da Doença de Alzheimer, geriatra explica sintomas da doença e indica medidas a serem tomadas diante do diagnóstico

Perda de memória, dificuldade em encontrar palavras, sinais de depressão, agressividade e diminuição do interesse por atividades e passatempos. Estes são os primeiros sintomas apresentados pelas pessoas que adquirem a Doença de Alzheimer. Nesta quarta-feira, 21, o mundo recorda os milhares de idosos que sofrem com esta enfermidade progressiva que, até o momento, não tem cura.


De acordo com a Associação Brasileira de Alzheimer, o número de pessoas com a doença no Brasil atinge a marca de 1,2 milhão, podendo dobrar essa quantidade até 2030. Desse total, apenas metade trata a doença e, a cada novo ano, surgem mais 100 mil novos casos. O principal fator de risco para o desenvolvimento do Alzheimer é a idade: após os 65 anos, a chance de desenvolvê-la sobe a cada cinco anos.


Na catequese da última quarta-feira, 21/09/2016, o Papa Francisco recordou a data e deixou um apelo em prol desses doentes. “Convido todos os presentes a ‘lembrarem-se’, com a solicitude de Maria e com a ternura de Jesus Misericordioso, dos que padecem deste mal e de seus familiares para que sintam a nossa proximidade. Rezemos também pelas pessoas que assistem os doentes, que sabem colher suas necessidade, inclusive as mais imperceptíveis, porque vistos com olhos repletos de amor.”

 

Esquecimento e o alzheimer


Reconhecer e identificar a doença é um ato difícil e que envolve não só o idoso, mas também todos à sua volta. Segundo a geriatra Marta Maria de Morais, ter apenas esquecimentos não quer dizer que a pessoa esteja com alzheimer e que, neste caso, o mais indicado é ir ao médico.


“O ideal é que pacientes com este tipo de queixa sejam avaliados por um médico, para identificar as possíveis causas do esquecimento. Nesta avaliação estão inclusos exames de sangue, de imagem (tomografia computadorizada ou ressonância magnética do crânio), testes cognitivos e de avaliação funcional”, observa.


A médica explica que existem três níveis da doença: fase leve, fase moderada e a fase grave, e que é muito comum confundir os sintomas com o processo de envelhecimento normal, fazendo adiar a busca por orientação profissional e, com isso, diagnosticar tardiamente a doença.


“Na fase moderada, são comuns dificuldades mais evidentes com atividades do dia a dia, com esquecimento de fatos mais importantes, nomes de pessoas próximas, incapacidade de viver sozinho, necessidade de ajuda com a higiene pessoal e autocuidados, maior dificuldade para falar e se expressar com clareza (…) Na fase grave a pessoa sente dificuldade de entender o que se passa à sua volta, há tendência de prejuízo motor, que interfere na capacidade de locomoção, sendo necessário auxílio para caminhar.

Posteriormente, o paciente pode necessitar de cadeira de rodas ou ficar acamado.”

 

Veja os sintomas de acordo com níveis da doença:

 

ALZHEIMER QUADRO

Observação: essa divisão tem caráter didático e, muitas vezes, 
sintomas classificados em diferentes fases se mesclam em um mesmo período. 

Fonte: Associação Brasileira de Alzheimer (ABRAz)

 

Diagnóstico de Alzheimer


Ao relatar a história de sua sogra, Eliana Maria Sampaio, que neste ano foi diagnosticada com a doença do alzheimer, o cinegrafista Ederaldo Paulini confirma as palavras da Dra. Marta Maria. Ele afirma que a mudança de comportamento e o esquecimento contínuo de sua sogra fez com que buscassem ajuda profissional.


“Minha esposa sempre comentava que sua mãe estava muito esquecida e que isso foi acontecendo com mais intensidade e maior frequência. Daí em março deste ano, as filhas a levaram em um neurologista que fez uma série de exames onde foi constatado que ela estava com a doença de alzheimer”, afirma.



Com essa mudança de comportamento, dona Eliana precisa de cuidados especiais e total dedicação, pois a ausência de companhia pode acarretar em consequências irreversíveis. “No nosso caso, o principal cuidado hoje é sempre ter alguém por perto para certificar de que não haja ocorrências do tipo deixar um fogão aceso, o registro do gás ligado e certificar que está tomando os remédios certos e na hora certa”, diz Ederaldo.

 

Adaptação à nova condição de vida


Entender a doença e sua evolução é fundamental. Dra. Maria Marta afirma que o tratamento da Doença de Alzheimer pode ser dividido em farmacológico e não farmacológico e que lidar com perdas, garantir boas condições de saúde, reorganizar a vida cotidiana e redistribuir tarefas são atitudes importantes para que haja uma boa adaptação à nova condição de vida do diagnosticado.


“Cuidar de uma pessoa com doença de Alzheimer é um desafio para qualquer família. As mudanças são significativas e precisam ser compreendidas e incorporadas na rotina familiar. É necessário acompanhamento médico regular e com outros profissionais de saúde (psicólogos, nutricionistas, fisioterapeutas, terapeuta ocupacional), no intuito de garantir uma assistência integral à saúde do paciente”, conclui.



Matéria:
Monique Coutinho
Da Redação da Canção Nova

Geriatra:  
Dra. Marta Maria de Morais


Fonte: Canção Nova

sábado, 24 de setembro de 2016

Por que Jesus foi batizado?

Em geral, quem é autoridade não se submete ao subordinado. Então porque Jesus foi batizado? Havia um desígnio do Pai, ao qual todos nós somos subordinados.

Porque Jesus foi batizado

“Mas João queria impedi-lo dizendo: Eu é que preciso ser batizado por ti, e tu vens a mim?”

Jesus não precisava ser batizado, mas foi. Ele quis! O Pai quis. E a resposta dele para João batista foi justamente essa: “Por ora, deixa, é assim que devemos cumprir toda justiça!” Ai, compreendemos que a submissão de Jesus é consciente e voluntária a fim de cumprir a justiça, ou seja, o desígnio de Deus. O que se confirma logo depois que Jesus é batizado por João através da manifestação das outras duas pessoas da Santíssima Trindade: O Espírito Santo e o Pai.

“Depois de ser batizado, Jesus saiu logo da água, e o céu se abriu. E ele viu o Espírito de Deus descer, como uma pomba e vir sobre ele. E do céu veio uma voz que dizia: Este é meu Filho amado; nele está o meu agrado.”

Fica clara a manifestação do Pai na forma de aprovação de tudo o que acabara de acontecer.

Nós temos dificuldade de compreender a humildade. Somos muito orgulhosos. A humildade, sobretudo a de Jesus, nos deixa desconcertados, confusos… Porque não conseguimos imaginar a proporção com a qual Deus se rebaixou, se humilhou para chegar ao nosso nível e mais ainda, para ir até a nossa sujeira mais fétida de pecado, para de lá nos levantar.

Que o Senhor nos ajude a compreender com o coração o que é a humildade e a obediência ao desígnio de Deus. Ele quer se agradar de nós.

Leia o trecho em Mt 3, 13-17

Na Bíblia CNBB página1203-1204

Título: O Batismo de Jesus por João

Ordens

Mt 3, 15

“Jesus, porém, respondeu-lhe: Por ora, deixa, é assim que devemos cumprir toda justiça!”

Princípios Eternos

Mt 3, 17

E do céu veio uma voz que dizia: Este é meu Filho amado; nele está o meu agrado.”

Anote em seu diário qual a mensagem de Deus para você e como pôr isso em prática.

Qual a mensagem de Deus para mim hoje?

Eu preciso cumprir o desígnio de Deus para a minha vida.

Como posso pôr isso em prática?

Aplicando-me em ouvi-lo e obedecendo a sua voz.




Fonte: Diário Espiritual

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

A Teia dos sonhos e o Esoterismo

Cuidado com o Esoterismo disfarçado de moda!


“Pois os sonhos fizeram errar muita gente, que pecou porque neles punham sua esperança…”(Eclo 34, 7)


A Teia dos Sonhos e o Esoterismo 


Parece que a moda dos objetos esotéricos não cessam nunca!
Na verdade, é realmente este o intuito do Esoterismo; fazer com que mais e mais pessoas, de formas diferentes, estejam de alguma forma “ligadas” ao mundo deles.


Aquilo que hoje tem se tornado moda, não é na verdade algo novo, mas tem se espalhado com força nas casas e principalmente entre os jovens e em bijuterias por eles usadas; conhecido como Teia dos Sonhos ou Filtro dos Sonhos, é mais um objeto de superstição da moda do Esoterismo..


É preciso entender o que é esta Teia dos Sonhos, como ela foi criada, qual foi a inspiração inicial, para que você entenda que ela se encaixa perfeitamente como um objeto de superstição, como um amuleto, ou seja, um objeto esotérico.


A Teia ou Filtro dos Sonhos nasceu nas tribos indígenas dos EUA, conhecidos como Ojibwe, e fazem parte a décadas de suas tradições e costumes.
Cada tribo na verdade, tem o seu modo de fabricação da Teia dos Sonhos, mas o conceito para eles é o mesmo.


Para estas tribos indígenas, os sonhos sempre tiveram um papel fundamental, era como um tipo de sinal vindo dos seus deuses, ou de seus ancestrais, e que continham uma mensagem por detrás dos mesmos que precisavam ser decifrados.


As Teias dos Sonhos em geral eram feitas de ramos de Salgueiros flexíveis, em formato de circulo, e revestido de tiras de couro. Formam as teias um tipo de fibra resistente, onde permanece uma passagem em forma de circulo. A Teia também é composta de penas de Coruja simbolizando a Sabedoria e penas de Águia, que simboliza a Coragem.


Funciona mais ou menos assim:


A Teia dos sonhos e o Esoterismo 


Os Ojibwe acreditam que quando a noite cai, o ar se enche de sonhos, sonhos bons e sonhos ruins. E ainda que seja pesadelos, eles acreditam que há uma mensagem provinda dos mesmos. Mas além dos sonhos eles acreditam que o ar estão cheios de energias negativas também, e que estas energias podem fazer mal à eles.


Portanto a Teia dos Sonhos serviria exatamente para isso:


O que são os maus sonhos e estas energias negativas quando chegassem próximo a Teia dos Sonhos ficariam presos na teia, e os bons sonhos passariam pelo circulo aberto ao centro.
 

 Ao amanhecer os raios de sol atingindo a Teia dos Sonhos, dissiparia todos os maus sonhos e energias presos a ele.


Existe uma lenda de uma aranha que fala com uma senhora e etc….
Mas ai é claro que esta mais para lenda que para a realidade…
Portanto esta é a base da Teia dos Sonhos: Captar más energias e liberar boas energias. Nos dar sabedoria e Coragem.
Agora vamos ao que o Catecismo da Igreja Católica nos ensina, em seu numero 2111:


A superstição é um desvio do sentimento religioso e das práticas que ele impõe. Também pode afetar o culto que prestamos ao verdadeiro Deus: por exemplo, quando atribuímos uma importância de algum modo mágica a certas práticas, aliás legítimas ou necessárias. Atribuir só à materialidade das orações ou aos sinais sacramentais a respectiva eficácia, independentemente das disposições interiores que exigem, é cair na superstição.


Está, penso eu, que bem claro! Colocamos num objeto, atribuímos a ele uma “importância magica” que na verdade ele não tem. Queremos estar livres de certas “energias negativas” nos desviando de Deus, da Oração, e caindo na superstição com tal objeto. No objeto em si está nossa crença, na materialidade do objeto…


Você sabia que até mesmo objetos que pela benção de um sacerdote se tornou um sacramental, se colocado somente no mesmo a “respectiva eficácia” pode se cair na superstição?!
 
Sim, porque você se desviou desta forma do culto a Deus, atribuindo a um objeto, mesmo que religioso, a eficacia…


Portanto, e para finalizar: A Teia dos Sonhos ou Filtro dos Sonhos é sim mais um objeto esotérico, que leva as pessoas a cair na superstição e no erro. O Cristão não deve ter isso em sua casa, e deve sempre explicar as pessoas que usam este tipo de objeto, o risco de se desviarem de Deus e do culto prestado ao mesmo.
 

Cristão não usa e nao tem o Filtro dos Sonhos consigo.


Deus abençoe você!




Autor: Danilo Gesualdo
Fonte: Canção Nova